Opinião

O nosso primeiro ministro é um “otimista irritante”. O “lixo” da Fitch, uma economia a crescer menos que em 2015 ou uma dívida pública que em 2016 aumentou 9,5 mil milhões de euros, são tudo boas notícias, porque, bem vistas as coisas, aqueles resultados podiam ser piores.

Ler mais »

Genericamente, a estratégia apresentada é ambiciosa e responde aos desafios do tecido empresarial. Contudo, é necessário adaptar as medidas agora anunciadas aos diferentes tipos de empresas, pois, caso contrário, corre-se o risco de estas iniciativas beneficiarem sempre os mesmos.

Ler mais »

Em 2016 o défice terá ficado em 2,3%. Não é uma proeza por aí além. O anterior governo do PSD/CDS-PP reduziu o défice de 11,2% para um valor abaixo dos 3% do PIB.

Ler mais »

A dívida pública portuguesa cresce em termos absolutos e cresce em função do PIB. Esta circunstância é pública e incontestada. Sem embargo o Ministro da Economia, o mais impopular de entre os ministros, foi a Davos garantir à elite reunida no Fórum Económico Mundial que a dívida portuguesa estava a cair. A mentira é política oficial deste governo.

Ler mais »